A gengivite estomatite do meu gato

Home / Comportamento animal / A gengivite estomatite do meu gato

Há alguns anos comecei a dedicar parte do meu tempo ao voluntariado animal. Desde essa altura, procuro estar atenta aos animais silvestres ou errantes com que me vou deparando. Sempre que possível, intervenho nessas situações, tentando ajudar a melhorar as condições de vida e de bem-estar de cães e gatos que encontro. Muitos deles, por qualquer razão, nasceram na rua ou acabaram por ir lá parar.

O meu gato Tomé foi um desses casos. A ideia inicial era apenas: resgatar, esterilizar e encaminhar para adoção responsável. Tudo com a ajuda de uma associação de protecção animal que já me tinha ajudado noutras situações, mas o destino acabou por fazer das suas e acabei, tal como o meu namorado, por me apaixonar por ele. Foi assim que o levei para casa, onde já viviam aquelas que são hoje as suas irmãs felinas, a Cookie e a Sushi, também resgatadas das ruas em circunstâncias muito idênticas.

O Tomé parecia um animal saudável, apesar do baixo peso, que em poucas semanas desapareceu, permitindo que se tornasse um animal robusto e de grande beleza, que encantava toda a gente.
Até que deixou de ser assim. Ao fim de alguns meses, e de forma bastante repentina, o comportamento dele alterou-se radicalmente. Logo o Tomé, que sempre fora muito brincalhão, estava agora muito mais quieto, passava muito mais tempo deitado e isolava-se frequentemente.

Como até então se tinha mostrado sempre muito meigo e adepto de colo, rapidamente notei, numa das vezes em que lhe peguei, que tinha uma halitose exuberante e a baba lhe corria em fio pelo canto da boca! Fomos de imediato com ele ao veterinário, que depois de o observar durante alguns minutos lhe diagnosticou uma gengivite-estomatite bastante severa. O Tomé tinha uma enorme inflamação em toda a boca, com úlceras grandes e feias que lhe causavam dor e o impediam de comer…

Tínhamos feito os testes de FIV e FeLV na altura em que decidimos adoptá-lo, e felizmente ambos tinham tido resultado negativo, pelo que se descartou logo a hipótese de alguma dessas doenças estar na origem do problema na boca. Meses antes, porque tínhamos percebido um considerável acúmulo de tártaro nos dentes, tínhamos pensado numa destartarização, mas o veterinário que o assistiu nessa altura achou desnecessário fazê-la. No entanto, hoje sabemos que o tártaro poderá ser um dos agentes predisponentes para a gengivite-estomatite. No entanto, era demasiado tarde para isso: o Tomé teve de ser internado, para ser sedado e fazer terapia de fluídos, a fim de evitar a desidratação, mas não foi preciso esperar muito para saber que teria de ser submetido a uma cirurgia para extracção de todos os dentes molares e pré-molares.

As causas da gengivite

As doenças da cavidade oral são bastante comuns nos gatos, e a sua gravidade pode variar entre uma simples inflamação das gengivas e uma patologia que, no limite, poderá mesmo pôr em risco a vida do animal. É por isso fundamental que os tutores tenham atenção a eventuais mudanças no comportamento e na fisionomia dos pequenos felinos, como o aparente desinteresse pelo pratinho de ração, a dificuldade em mastigar, o mau hálito ou uma significativa perda de peso em pouco tempo, sem razão visível. No nosso caso, a baba que lhe escorria pelo canto da boca e o extremo mau hálito que lhe senti naquela noite, a juntar ao estado quase letárgico em que o encontrei, foram suficientes para o levar de urgência à clínica veterinária.

A gengivite-estomatite pode ter uma causa relativamente simples, como a acumulação de placa bacteriana e tártaro, que pode ser resolvida facilmente com uma limpeza da cavidade oral, feita pelo veterinário, com o animal anestesiado. Mas pode ter também outras causas, mais complexas, e que muitas vezes impedem a resolução definitiva do problema, que passa a ser considerado crónico e recorrente: o herpesvírus felino (causador da rinotraqueite, o calicivírus (responsável por uma patologia similar à rinotraqueíte, ainda que com sintomas um pouco mais brandos) ou o vírus da imunodeficiência felina (o tão temido FIV, designado por muitos como “a sida dos gatos”) também podem determinar o surgimento deste problema. Contudo, além das causas viral e bacteriana, a gengivite-estomatite pode ter ainda origem genética, e a comunidade científica acredita, à luz de vários estudos, que há determinadas raças de gatos – como os Maine Coon, os Persas e os Siameses, precisamente – mais vulneráveis a este mal. Certo é que uma grande parte dos gatos domésticos é, em determinada altura da vida, acometida por doenças da cavidade oral, com a gengivite-estomatite à cabeça.

O tratamento

A resposta médica para a gengivite-estomatite felina é ainda controversa, já que ainda não são conhecidas alternativas muito eficazes à exodontia (extracção de dentes), que pode ser parcial ou total. Normalmente são retirados todos os dentes molares e pré-molares, mas há casos mais graves em que também os caninos e os incisivos têm de ser extraídos. No caso do Tomé, e porque já existia doença periodontal e mobilidade dentária, foram extraídos todos os molares e pré-molares, e numa primeira fase, com acompanhamento especializado e medicação, o problema parecia ter ficado resolvido. Infelizmente, a solução não foi muito duradoura…

Cerca de seis meses depois, a gengivite-estomatite voltou e foi necessário avançar para novas medidas terapêuticas, tanto mais que se descobriu que o problema era de tal forma grave que já tinha alastrado a outros órgãos: o Tomé sofre agora de insuficiência renal crónica, estando a função dos rins já bastante comprometida (apesar de não haver ainda sintomas dessa doença, uma vez que se trata de uma patologia silenciosa que só começa a produzir sintomas quando mais de dois terços da função renal estão perdidos), tem um pulmão afectado (estamos em fase de estudo para perceber exactamente a extensão do problema a este nível) e apresenta um quadro de tosse bastante persistente, o que poderá indiciar a existência de problemas cardíacos (também estamos a tentar avaliar esta possibilidade).

Do que sabemos até ao momento, o Tomé pode não ter muito tempo de vida, e tudo parece dever-se ao avanço da gengivite-estomatite, que poderá ter surgido muito antes de o conhecermos, podendo até ser essa a razão pela qual o Tomé acabou abandonado nas ruas. As complicações decorrentes da doença são muitas, graves e de tratamento longo e dispendioso, mas nós não vamos desistir, até ao limite das nossas forças, de ajudar este bonito siamês a ter a vida de qualidade que merece, seja por apenas mais alguns meses, seja, como desejamos (e tendo em conta que se estima que ele tenha apenas quatro ou cinco anos de idade), por muitos e longos anos…

Carla Teixeira
Jornalista | Crazy Cat Mom

appstore playstore

 
 

Comments(46)

  • Olenka de Moura
    September 30, 2017, 2:08 pm  Reply

    Comentário imprescindível ! Eu desconhecida o problema e principalmente a extensão, suas graves consequências. Descobrimos recentemente este problema no meu gato(adotado), vou ficar muito atenta na evolução do medicamento e farei o que for possível e necessário, para evitar maiores sofrimentos. Excelente e completa postagem, muito obrigada. Bjs..

    • October 9, 2017, 5:25 pm

      Olá Olenka. É uma situação bastante mais comum do que se julga nos gatos. Ainda bem que achou o artigo útil e que a ajudou a compreender melhor a situação do seu gato. Nós estamos cá para vocês e a App da Petable existe para facilitar a gestão de tratamentos e registo dos momentos em que este problema cause sintomas no seu gatinho, para que não lhe falhe nada no maneio da saúde do seu pet. Gratos pelo apoio. #YouArePetable

  • Débora
    October 27, 2017, 1:43 am  Reply

    Olá, minha gata, resgatada da rua, com uma história muito parecida com o seu. Infelizmente após a estração de alguns (5) dentes começou a apresentar forte secreção, babando muito. Já fiz tratamento com enrofloxacino e com meloxican (anti-flamatório) mas não apresentou resultado. Hoje vou iniciar um tratamento com metronidazol e doxiclina, não sei bem como agir por falta de veterinários na cidade

    • October 27, 2017, 11:03 am

      Olá Débora.
      A medicação que indica, tanto a enrofloxacina que é um antibiótico das fluoroquinolonas como o metronidazol e doxiciclina são sujeitos a receita médico-veterinária pelo fato de serem antibióticos e, como tal, deverem ser controlados pelos profissionais de saúde para evitar problemas graves de saúde pública que decorrem do seu uso errado.
      O uso indiscriminado de antibióticos sem ser sustentado num diagnóstico médico representa um perigo para a saúde de todos e para a da sua gatinha em particular. Por favor não trate os nossos bichinhos com este tipo de medicamentos sem aconselhamento médico-veterinário por poder estar a promover:
      – aparecimento de micróbios multirresistentes no organismo da sua gatinha que depois terá muito mais dificuldade em tratar com o medicamento correto.
      – uma intoxicação em outros sistemas do organismo dela como o fígado ou os rins, dependendo da dosagem e frequência de administração.
      – a extinção da flora microbiana natural e saudável do organismo da sua gatinha, podendo originar outros problemas que se instalam por falta de concorrência microbiana como a Candidíase.
      Diga-nos onde se localiza que tentaremos recomendar um Centro de Atendimento Médico Veterinário perto de si para procurar a ajuda que a sua gatinha precisa. Não temos dúvidas que se preocupa genuinamente e que quer fazer o melhor por ela. Aguardamos notícias, #petable

  • Débora
    October 27, 2017, 1:46 am  Reply

    Se puderem me ajudar de alguma maneira eu agradeceria imensamente. Ela está tendo muita dificuldade para comer e está com uma secreção muito forte com até mesmo presença de sangue. Eu vou tentar todas as formas possíveis para salvá-la, não quero desistir dela 😔

  • Débora
    October 27, 2017, 11:20 am  Reply

    Bom dia, primeiramente muito obrigada por responderem. Talvez tenha me expressado mal, mas todos os medicamentos são feitos sobe acompanhamento de veterinário. Eu quis me referir que onde moro nenhum veterinário sabe bem como tratar essa doença, eu já até a levei em uma cidade vizinha que tem uma clínica renomada onde a veterinária me desse que a única causa da gengivite era o vírus Fiv.

  • Débora
    October 27, 2017, 11:24 am  Reply

    Mas lendo alguns artigos percebi que poderiam ter outras causas. Inicie bários tratamento desde então, sempre com o acompanhamento de veterinários para dar a dosagem certa. Mas parece que nada mais faz efeito, e na minha cidade é difícil encontrar os remédios de que preciso.. já me recomendaram a eutanásia, mas eu não quero fazer isso 😔

  • Debora
    October 27, 2017, 11:27 am  Reply

    Eu moro em São Miguel do Guaporé/Rondônia.
    WhatsApp –
    Por favor, depois apaguem esse comentário para que meu número não fique exposto. Obrigada

    • November 1, 2017, 1:53 am

      Olá Debora. Lamentamos que você e sua gatinha estejam a passar por isto. A gengivite/estomatite não é uma questão fácil de resolver mesmo com acesso fácil a todos os medicamentos para animais, porque não existe nenhum tratamento que funcione a 100%. Sabe-se que muitos dos animais com esta doença são portadores do vírus FIV o que pressupõe que o seu sistema imunitário não é funcional como devia, levando à exacerbação desta doença. Em casos extremos, se não se resolver a infeção/inflamação de forma medicamentosa (com anti-inflamatórios e antibióticos) está preconizado remover a fonte de todas as bactérias na linha gengival através da extração dentária total. O gato não volta a ter uma cavidade oral normal (fica sem dentes) mas recupera muito bem da infecção e fica capaz de comer comida húmida e triturada. É uma solução de último recurso, mas com a infeção crónica muitas vezes o grau de dor atingido é tal que deixam de comer por completo, podendo morrer de inanição.

  • Marcia maRiAno
    October 29, 2017, 1:38 pm  Reply

    Nossa estou com um gato com esse problema! O veterinário está tentando evitar a extração dos dentes, mas já avisou sobre a possibilidade e inclusive chance de não resolver a questão. Muito triste…

    • November 1, 2017, 1:55 am

      Olá Marcia. Lamentamos saber que o seu gatinho sofre dessa doença. Vamos torcer para que tenha uma boa recuperação sem ter de recorrer a medidas mais drásticas e à extracção dentária. Depois diga-nos como correu.

  • Cleonice Cardozo Silva
    December 4, 2017, 12:22 am  Reply

    Ozonio eh otimo, ajuda muito, muito mesmo.

  • Jusci Santos
    December 21, 2017, 6:06 am  Reply

    Minha gata de 6 anos tbm está sofrendo muito. Ela já havia apresentado o problema qdo tinha 1 ano e depois mais umas 2 vezes. Mas tratei com stomorgyl e foi excelente. Porém este ano em agosto ela apresentou pela 4° vez o quadro que eu já conhecia bem e já fui logo dando o stomorgyl, mas desta vez foi inútil. Minha vet e eu estamos lutando muito. Ela já fez a profalixia e extraiu um dente.

  • Jusci Santos
    December 21, 2017, 6:13 am  Reply

    Ela agora está tomando predinisolona e ômega3. Mas já tentamos outros medicamentos e suplementos como glicopan, vitamina c, outros antibioticos como ampicilina. Faço limpeza todo dia com periovet. Ela não tem fiv nem felv. É muito triste. Já não brinca mais, estranha os meus outros gatos, se esconde de mim o dia todo. Nos dias que não come sachês ou ads ou frango moidinho preciso dar com seringa.

  • barvara
    December 23, 2017, 2:53 am  Reply

    Minha gata Maggie tem essa Gengivite-Estomatite Felina, tratamos ela há 1 ano com corticoide. Agora fazendo a Ozonioterapia. Ela melhorou bastante. Ficam bolsas de sangue na gengiva, que é o que causa dor e deixa os animais com dificuldade para comer. Recomendo consultar mais de um médico antes de arrancar todos dentes do bicho. Já soube que o problema persiste ainda assim

    • Patricia copini
      March 1, 2019, 1:58 am

      Ola. Onde tem esse tratamento com ozonio em SP??

  • BARBARA
    December 23, 2017, 2:55 am  Reply

    Minha gata Maggie tem essa Gengivite-Estomatite Felina, tratamos ela há 1 ano com corticoide. Agora fazendo a Ozonioterapia. Ela melhorou bastante. Ficam bolsas de sangue na gengiva, que é o que causa dor e deixa os animais com dificuldade para comer. Recomendo consultar mais de um médico antes de arrancar todos dentes do bicho. Já soube que o problema persiste ainda assim

  • Debora
    January 5, 2018, 1:20 am  Reply

    Que ótimo.o encontrar esse texto e comentários.
    Meu gato vem passando pelo mesmo problema há algum tempo e agora os veterinários não vêem outra solução a não ser a extração.
    Estamos bastante preocupados com a recuperação dele. Poderiam me dizer mais como os gatinhos que passaram pela extração reagiram?
    Algum chegou a extrair o canino?

    • January 9, 2018, 6:16 pm

      Olá Debora. Conhecemos casos de animais que extraíram COMPLETAMENTE a dentição e recuperaram bem, com alguns cuidados extra com a alimentação (tem que ser tudo muito triturado e humedecido). Normalmente, não é necessário chegar a esse extremo, mas deixe o seu veterinário avaliar o gravidade do estado da boca e a quantidade de dentes que terá que extrair. Quanto mais tempo passa, mais o estado geral deles se degrada por má alimentação e inflamação crónica. Quanto menor for o número de dentes extraído e quanto melhor estiver o estado geral do animal e da inflamação da boca no momento da extração, mais rápida será a recuperação. Experimente o aplicativo da Petable para registar todas as datas (data de análises sanguíneas, data da cirurgia) e depois manter um diário da recuperação para ir registando dia a dia a evolução. Vai ver que ajuda a perceber as melhorias à medida que os dias passam. Também pode registar a comida que ele vai ingerindo e criar lembretes para os dias e horas da medicação que ele terá que tomar. #sejaPetable As melhoras!

  • Luciana Roveri
    January 14, 2018, 10:16 pm  Reply

    Oi estou passando por isso com meu gato…estou a três meses com antibiótico e antiflamatorio e leocogen …fiz exames leocemia, HIV todos negativos, agora o médico quer faz biópsia…não quero deixar porque sei que vai sofrer…me ajudem no que fazer

    • January 17, 2018, 2:13 pm

      Olá Luciana, fale com o seu Médico Veterinário. Exponha as suas dúvidas e receios acerca do que implica a biópsia. Se é feito sob condições de anestesia, qual o tamanho do tecido removido para análise (geralmente é mínimo) e quanto tempo demora a recuperação do seu gatinho depois do exame? São tudo questões normais. Peça ao seu veterinário que explique detalhadamente o que é a biópsia e como é feita. Por vezes o nome assusta mais do que o procedimento em si. Acredite que o sofrimento causado por esta condição (gengivite/estomatite) e as suas consequências é bem pior do que uma biópsia. Irá ver que a possibilidade dos resultados da biópsia poderem ajudar a resolver a estomatite tem muito mais benefícios do que continuar a tratar com antibióticos e anti-inflamatórios no longo prazo, sem a certeza de que essa seja a melhor abordagem. Se tem receios, é normal. Peça mais informações, que a maioria dos médicos veterinários irão certamente prestar-se a ajudá-la. E nós também estamos cá para esclarecer! #SejaPetable

  • Claudio
    April 17, 2018, 5:08 am  Reply

    Que triste! Minha gatinha Amora tem 4 anos e desde o ano passado apresenta esse problema. Há dois meses descobri essa doença e ela teve uma melhora significativa, só que há dois dias ela parou de se alimentar e observei que havia ferida na boca novamente. Ela está muito magra e debilitada. Voltei a dar os remédios que ela havia tomado há dois meses atrás. Meu coração está partido.

    • May 10, 2018, 3:13 pm

      Olá Claudio. Não espere que os medicamentos atuem sem a levar ao médico veterinário. Quando os gatos deixam de comer, o organismo deles pode entrar muito rapidamente em falência, sobretudo devido ao fígado (que não tem nada a ver com a estomatite, é consequência de não comerem). Pode ser necessário alimentar artificalmente até a medicação ajudar a ferida da boca a recuperar. Não devemos deixar os gatinhos passar mais de 24h sem comer, sem os levar ao médico veterinário. Esperamos que a Amora recupere rapidamente.

  • Andrea
    April 24, 2018, 3:21 pm  Reply

    O meu gato Cascão acaba de receber esse diagnóstico, estou aqui arrasada. Amo demais meu pequeno. Não sei o que fazer, não quero que ele sofra

    • May 10, 2018, 3:02 pm

      Olá Andrea, a estomatite/gengivite não é o fim. Vai requerer alguns cuidados acrescidos e paciência acrescida da sua parte, mas se seguir as indicações do veterinário que o diagnosticou e seguir o plano de tratamento, há uma boa hipótese de dar ao Cascão uma vida livre de dor. Vá-nos mantendo a par. As melhoras para ele.

  • helianacezar cunha
    May 25, 2018, 12:41 pm  Reply

    Sou Heliana, Bom dia! tenho um gato que vai fazer 18 anos e está com uma estomatite bem avançada, tem 5 meses que estamos tratando e nada de melhoras a semana passada teve 4 dias internado. ja passou por 6veterinários, uns falam em extrair os dentes, outros diz que não, naõ sei o que fazer.

    • May 25, 2018, 4:30 pm

      Olá Heliana, com o que descreve o melhor curso de ação para a estomatite provavelmente seria a extração mas quase que aposto que o que está a impedir alguns veterinários de avançar com isso é a idade avançada do seu gatinho e o risco anestésico que isso implica. O melhor será ir controlando a estomatite com medicação enquanto ele comer. Se a doença avançar ao ponto de já não querer comer, provavelmente terão mesmo que avançar com a anestesia e extração dentária. Convém não deixar essa decisão para demasiado tarde, ou seja, vá ao seu veterinário assim que ele der os primeiros sinais de não querer comer nada. 18 anos é uma idade muito avançada nos gatinhos. Eles perdem condição corporal e desidratam muito rapidamente por isso é crucial mantê-lo vigiado de perto. Boa sorte para o seu gatinho e muita força para vocês. #BePetable

  • maria pacheco
    June 25, 2018, 4:27 pm  Reply

    Boa tarde, o meu gato tem perto de 5 anos foi resgatado da rua, há 3 meses atrás foram-lhe retirados todos os dentes por causa da estomatite. Esta passou despercebida porque ele nunca deixou de comer os secos. Dormia demasiado comparativamente com o gato mais velho que tenho mas pensámos que era apenas dorminhoco. O que nos levou a ir ao veterinário foi o mau hálito terrível que começou a ter.

    • July 16, 2018, 5:30 pm

      Obrigado pela partilha da sua experiência. É muito importante para que outros tutores saibam que tipo de sinais podem esperar. Nem todos os casos têm a apresentação típica, como o vosso caso claramente demonstra. Agradecemos muito que tenha partilhado. #YouArePetable

  • maria pacheco
    June 25, 2018, 4:33 pm  Reply

    A conclusão é que ao fim de todo este tempo ainda apresenta uma mancha muito vermelha ao fundo da gengiva. Isto apesar de já ter apanhado 3 injecções de cortisona que supostamente fazem efeito durante 30 dias cada uma delas. Estou a ficar muito preocupada , quando optei pela extracção de todos os dentes foi na crença que acabaria com o problema.

    • July 16, 2018, 5:36 pm

      A extração dos dentes está demonstrada que melhora e até resolve completamente num grande número de casos. Infelizmente, isso não abrange a totalidade dos casos. O seu Médico Veterinário deverá ter feito (se não tinha já feito anteriormente) o rastreio de doenças auto-imunes e infecciosas (como FIV e FeLV). Muitas vezes a estomatite é secundária a outras doenças cuja resolução não é fácil e por isso o tratamento é menos eficaz. Desejamos uma rápida resolução e, caso não seja possível, uma qualidade de vida tão boa quanto possível para o seu felino “dorminhoco”.

  • Noemi
    July 7, 2018, 2:10 am  Reply

    Estou há mais de 4 meses tratando meu gato de calicivirose. Já tomou Stomorgyl, Agemoxil, Prediderm, Leucogen, é nada resolve! Não sei mais o que fazer! Acho que nem o Veterinário sabe mais o que fazer com ele! Que doença terrível! Se alguém puder me dar uma luz agradeço!

    • July 16, 2018, 5:47 pm

      Olá Noemi. O diagnóstico de calicivirose foi confirmado por análises? É uma doença muito comum em gatos, infelizmente. Mas se o diagnóstico tiver sido feito baseado apenas nos sintomas e se o tratamento até à data se mostrou ineficaz, pode haver outras causas menos comuns de sintomas respiratórios presentes, como as infeções fúngicas ou parasitárias (p.ex. Aerulostrongilose felina). Fale com o seu Médico Veterinário e tracem um plano de diagnóstico mais exaustivo para perceber se, além do Calicivirus, poderá haver algum patogénico menos comum associado a este quadro, a atrasar a recuperação do seu gatinho. Conte-nos como correu. #BePetable

  • AI
    August 21, 2018, 6:49 pm  Reply

    Olá! A minha gata tem dois anos e foi-lhe diagnosticado o mesmo problema. Ela já perdeu alguns dentes da frente e foi-nos aconselhado, dependendo de como correr agora o tratamento com antibióticos, a posteriormente proceder à total extracção dos dentinhos dela…
    Quanto pagou mais ou menos pela cirurgia e remoção do Tomé? E quanto tempo esteve ele em recobro por causa da boquinha?

  • Celia regina
    September 28, 2018, 12:46 pm  Reply

    Oii bom dia a todos. Minha gatinha Mimi passou pela extração dos dentes e ficaram só 3 caninos. Pois um caiu sozinho a vet me disse . Ela passa bem. .estou umidecendo a ração com água morna .dou sachê e sopa de legumes bem amassadinha. Ela está comendo bem. Mas hj percebi que ainda está babando um pouco. O procedimento foi terça-feira .hj faz 4 dias. Boa sorte com o garinho(a) de vcs

    • October 19, 2018, 10:36 am

      Olá Celia Regina. Ainda bem que têm conseguido alimentar a gatinha. O fato de se babar muito será quase “normal” daqui para a frente. Desde que ela mantenha o apetite apesar da falta de dentes (e da baba) estão no bom caminho.

  • Ana
    November 18, 2018, 9:44 am  Reply

    Olá, minha Pitty tem 8 anos e também está com essa doença, ela também tem insuficiência renal já a 3 anos. Estamos tratando a desidratação antes de iniciarmos o tratamento com com medicamentos. Ela toma remédio para náusea e dor, está com uma sonda para se alimemtar pois recusa tudo, até água. Está bastante inxjado com sangue, gostaria de limpar mas tenho medo, é recomendado?

  • Andressa
    December 11, 2018, 7:55 pm  Reply

    Tenho uma gata e um gato com estomatite (mãe e filho). Minha gata passou pela cirurgia para a retirada de todos os dentes e desde então leva uma vida normal, come de tudo, é alegre e saudável. Como a doença no meu gato ainda está no início, o médico receitou antibiótico e imunoestimulante, e também que eu faça a limpeza da boca dele 4 vezes ao dia.

  • Taiane
    December 26, 2018, 1:53 pm  Reply

    Olá pessoal, também gostaria de compartilhar nossas experiências com a minha gata, está a quase 1 ano se tratando, nada de melhorar, é negativa para FIV e FELV. O veterinário disse que não precisa extrair dentes, disse que o problema está mais na garganta. Come somente comidas em patê, toma glutamina, come bastante até, mas não ganha peso, está muito magra. O cheiro está terrível, ela possui uma b

  • Adrielle
    January 16, 2019, 12:21 am  Reply

    É contagioso? Passa de um gatinho para outro?

  • January 23, 2019, 11:14 pm  Reply

    Meu gato TB tem isso. O veterinário aplica corticoide e em casa damos o stormogyl, melhora o hálito durante o tratamento mas depois acaba voltando em 1 mês e o gato fica o tempo todo com a língua pra fora ….
    Felizmente ela tem comido bem o sachê e um pouco de ração seca ( a seca ela meio que engole inteira o pedaço não tem a mastigação) mas estamos nessa dúvida. Sugeriram a extração dos dentes.

  • January 23, 2019, 11:16 pm  Reply

    A dúvida e se o gato extrair os dentes melhora ou vai ter a mesma coisa … Pq sofrerá 2x … Pra extrair os dentes e dps ter o mesmo problema. Estou nessa dúvida … Ou ir seguindo com tratamento aplicando corticoide no veterinário …

  • Janan Hany
    January 31, 2019, 2:12 am  Reply

    Sou protetora de gatos há 30 anos e nunca tinha visto um caso desta doença até uns 4 anos atrás, parece epidemia (ração?), quando vejo um gato/a com a língua pra fora e magro já sei que tem a doença. Em alguns gatos ela provoca muita dor e em outros não. Como são gatos ariscos, dou bicarbonato com anestésico (albicom) na ração úmida, assim, ao menos comem, pois nenhum tratamento oral funcionou.

  • Roberto Lourenço
    March 7, 2019, 9:46 pm  Reply

    Olá pessoal tenho uma gata com cerca de 1 ano de idade, fiv e fev negativo, mas foi detectado uma estomatite severa, fizemos tratamento com interferon omega felino, em Portugal não ficou nada barato pagamos 500€, no entanto no final do tratamento melhorou mas pouco infelizmente, estamos a tentar ao máximo a extração dentária, diversificamos alimentação seja pate, guisado, mousse, mas mesmo assim

  • Roberto Lourenço
    March 7, 2019, 9:50 pm  Reply

    Não está fácil, procuro algo que estimule o apetite, receitas mais naturais para alimentação ou então suplementos para compensar a falta de apetite, ela é seguida por um bom veterinário e que sem dúvida quer ajudar mas acho que também já está a ficar sem opções infelizmente. Fiquei curioso com o tratamento de ozono, e vou pesquisar mais um pouco sobre ele, mas agradeço toda a ajuda que poderem dar

  • Viviane martin
    April 29, 2019, 11:19 pm  Reply

    Sei que parece cruel, mas alguém já cogitou a eutanásia? Tenho uma gatinha assim há 6 meses, fazemos todo o possível inclusive remoção de tártaro, só não vimos evidência real de a retirada dos dentes resolver o problema por isso não o fizemos. Já fizemos vários tratamentos com veterinários (3 até agora) e ela continua emagrecendo, passa dias sem comer, tentamos comida macia, sache pra gatos e nada

Leave a Comment